O maior défice do País não é financeiro, nem é democrático, talvez seja neuronal, mas é concerteza de senso comum

Sexta-feira, 24 de Outubro de 2008
o muro de contentores 2: há lodo no cais

Abençoado Mário Crespo. Trouxe à televisão um homenzinho que representava os operadores do Porto de Lisboa (será que era mesmo isto?) para explicar o que se passa com a chamada expansão do terminal de contentores de Alcântara. O homenzinho foi patético! gaguejou, atrapalhou-se, não se conseguiu explicar, sob um olhar meio gozão e meio complacente do Mário Crespo. Ficámos a saber - se é que não sabíamos já - que justificação não há nenhuma para aquilo, mas explicação há: é mais dinheiro a ganahr para a Mota-Engil pela batuta milagrosa do Jorge Coelho. Já há algum tempo commonsense tinha chamado a atenção para este senhor no post «o coelho na cartola».

 

Ficou sem se saber porque é que não apareceu alguém mesmo do Porto de Lisboa, da Mota-Engil, ou do Ministério (dos Empreiteiros) de Obras Públicas. Mandaram um homenzinho fazer o frete (e, verdade, verdade, fretes é ali...). Quizeram ser espertos, puzeram ali alguém que não os responsabilizava e que, por isso, não os comprometia. É bom de ver, porém, que um dos "operadores do Porto de Lisboa" é a própria Liscont... Será que ele era dali, ou foi pescado na grua dos contentores?

 

Mas fizeram mal. Ainda ficaram mais comprometidos ao virarem as costas. Deviam ter vindo explicar aquilo que ninguém compreende, para que todos não compreendam aquilo que ninguém explica. A frase é hiperbólica, mas toda a gente a percebe: se não vêm os autores da proeza explicar que aquilo é sério, toda a gente vai ficar com a certeza de que não é (sério).

 

Commonsense vai ficar atento. Há lodo no cais.


tags:

publicado por commonsense às 23:25
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008
o muro de contentores 1: sem concurso

O Porto de Lisboa e o Ministro das Obras Públicas (Mário Lino) prorrogaram  por Decreto-Lei e sem concurso público a concessão do terminal de contentores da Rocha do Conde de Óbidos, em frente ao Museu de Arte Antiga, no sítio da Doca de Alcântara, também chamada Doca do Espanhol.

 

Já é um escândalo a prorrogação da concessão sem concurso público, mais ainda maior escândalo são as condições da nova concessão:

- coloca um muro de contentores entre a cidade e o rio, com altura de cinco contentores;

- alarga a zona de cais e destrói a Gare Marítima de Alcântara e, com ela, os frescos do Almada Negreiros;

- constrói um caminho de ferro em plano inferior até ao fim do cais o que implica a destruição com explosivos do maciço rochoso (rocha do Conde de Óbidos) o que põe em perigo a estabilidade da colina fronteira, onde estão o Museu de Arte Antiga, o Palácio da Cruz Vermelha e um das zonas históricas mais ricas de Lisboa.

 

Sobre isto importa ler o que Miguel Sousa Tavares escreveu no último Expresso.

 

Além da selvajaria que tudo isto representa, da ganância que tudo isto move, há um cheiro nauseabundo a desonestidade, por detrás de tudo isto.

 

É peciso criar um movimento de opinião que impeça este crime.

 

Só abaixo do equador é que há coisas destas. Sem concurso.


tags:

publicado por commonsense às 19:53
link do post | comentar | favorito
|

blogs SAPO
mais sobre mim
visitas
subscrever feeds
links
pesquisar
 
posts recentes

o muro de contentores 2: ...

o muro de contentores 1: ...

arquivos

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

tags

aborto baby-killers

american soft power

baby killers

baby killers 4

berlusconi

burocracia

casa pia

crianças

crianças; casa pia

crise

cultura

dinheiro

economia

esperança; política; desporto

ética

europa

freeport

fumar

guerra

islão

justiça

kosovo

natal

negócios

nuclear

ota

país

paz

pinho&lino

política

ps

psd

religião

renditions

saúde

sida

sixties

sociedade

socretinos

tabaco

universidade

todas as tags

subscrever feeds