O maior défice do País não é financeiro, nem é democrático, talvez seja neuronal, mas é concerteza de senso comum

Quinta-feira, 15 de Fevereiro de 2007
Os verdadeiros números do referendo

Estes são os verdadeiros resultados do referendo (fontes: população (Governo); votações (Comissão Nacional de Eleições):

Habitantes

10.536.000

100,00%

Recenseados

8.832.628

79,56%

Votantes

3.851.613

36,55%

Abstenções

4.981.015

47,29%

Brancos

48.185

0,45%

Nulos

26.297

0,24%

Sim

2.238.053

21,24%

Não

1.539.078

14,60%

Abstiveram-se 47,29% dos dos portugueses

Votaram SIM 21,24% dos portugueses

Votaram NÃO 14,60% dos portugueses

Com estas votações, penso que o Presidente da República tem de ter coragem política para exercer o veto político sobre a lei resultar deste referendo, de modo a que tenha de ser aprovada por 2/3 doa deputados.

O voto de 2 milhões duzentos e tal mil portugueses (21,24%) não é suficiente para uma lei tão radical.

Gostava de saber a vossa opinião   



publicado por commonsense às 00:02
link do post | comentar | ver comentários (20) | favorito
|

Sábado, 10 de Fevereiro de 2007
É revoltante
É revoltante que haja quem chore a morte das focas-bebés e mate os seus próprios filhos


publicado por commonsense às 19:55
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

Domingo, 4 de Fevereiro de 2007
Correia de Campos vs. Hipócrates

A última de correia de campos: quer alterar o Juramento da Hipócrates de modo a impedir os médicos de usarem da objecção de consciência perante o aborto. Assim, segundo a vontade de correia de campos, um médico que invoque a objecção de consciência para recusar o aborto já pode ser demitido.

Mas Hipócrates já muitas vezes foi contrariado e saíu sempre vencedor. Mais cedo ou mais tarde. Por vezes, tarde.

Na Alemanha, entre 1933 e 1945, também o governo de então se sentiu legitimado para fazer a mesma coisa: obrigar os médicos a fazer coisas monstruosas. E fê-las. Tinha - pensa-se - a população do seu lado, mas ninguém fez um referendo. Se tivesse havido um referendo na Alemanha, entre 1933 e 1945, possívelmente teria sido aprovada a interrupção de tantas vidas e de tantas coisas.

A Ordem dos Médicos disse NÃO a correia de campos. Mostrou que tem carácter, que tem espinha dorsal, que tem moral. 



publicado por commonsense às 11:52
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Terça-feira, 9 de Janeiro de 2007
a correia da morte

É ministro da saúde, mas promove a doença, persegue os médicos, fecha as maternidades, promove o aborto em clínicas da morte espanholas a instalar em Portugal.

Depois, confessa: os abortos que promove não vão ser gratuitos, vão ser pagos; não vão ser secretos, vão ser do conhecimento público; não vão ser feitos em hospitais públicos, vão ser feitos em clínicas espanholas a abrir em Portugal.

A correia da morte promove o negócio da morte... com carrascos espanhóis.

Como os médicos portugueses se recusavam a fazer abortos na quantidade exigida pela correia da morte, recorreu a clínicas espanholas... e para que elas viessem «investir em Portugal», promoveu a liberalização do aborto.

Do TGV, para a IGV, mais um negócio com o investimento espanhol. Desta vez é o do massacre dos inocentes.

Não tenho provas de que seja assim, mas estou subjectivamente convencido disso.

É a correia da morte



publicado por commonsense às 22:42
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Sábado, 23 de Dezembro de 2006
Baby killers 3
Se Maria tivesse abortado não havia Natal


publicado por commonsense às 18:42
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|

Segunda-feira, 4 de Dezembro de 2006
Baby killers 2: E o pai ? não tem nada a dizer soobre o aborto do seu filho?

Na querela sobre o aborto ainda não vi nem ouvi o que quer que seja sobre o direito do pai à paternidade.

Quando a mãe resolver abortar, o pai não tem nada a dizer?

Imaginemos que são casados, não separados, a gravidez foi planeada. A criança está bem e a mãe também.

Mas a mãe resolve que quer abortar. O pai quer que o seu filho nasça.

Não tem direito?

Se não tem, a lei é inconstitucional



publicado por commonsense às 22:51
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

blogs SAPO
mais sobre mim
visitas
subscrever feeds
links
pesquisar
 
posts recentes

Os verdadeiros números do...

É revoltante

Correia de Campos vs. Hip...

a correia da morte

Baby killers 3

Baby killers 2: E o pai ?...

arquivos

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

tags

aborto baby-killers

american soft power

baby killers

baby killers 4

berlusconi

burocracia

casa pia

crianças

crianças; casa pia

crise

cultura

dinheiro

economia

esperança; política; desporto

ética

europa

freeport

fumar

guerra

islão

justiça

kosovo

natal

negócios

nuclear

ota

país

paz

pinho&lino

política

ps

psd

religião

renditions

saúde

sida

sixties

sociedade

socretinos

tabaco

universidade

todas as tags

subscrever feeds