O maior défice do País não é financeiro, nem é democrático, talvez seja neuronal, mas é concerteza de senso comum
Quinta-feira, 30 de Abril de 2009
SAP - sociedades anónimas partidárias

A aprovação pelo Parlamento da alteração do sistema de financiamento dos partidos políticos que aumenta para o dobro os limites de dinheiro que os partidos podem receber vai introduzir uma alteração estrutural profunda no sistema político-partidário português. 

Os partidos vão passar a ser - agora oficialmente - propriedade dos donos do dinheiro. O que já era uma oligarquia mediaticamente assistida, passa agora a ser um estado mafioso. É previsível que a próxima lei sobre o estatuto dos partidos políticos venha a institiur as SAP - sociedades anónimas partidárias, com cotação na bolsa e accionistas privados. Depois serão as OPAs e as tomadas de controlo por off-shores da Colômbia e da Calábria. De Angola também.

A Manuela continuará presidente do PSD, SAP, SGPS, SA, sem ter dado por nada; Jorge Coelho, da Mota/PS, SAP, SGPS, SA. 

 

Pela primeira vez na vida, Commonsense não vai votar. 

 


tags:

publicado por commonsense às 22:13
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Bernardo Soares a 30 de Abril de 2009 às 23:11
Não votar é não fazer uso dum direito/dever e misturar-se com os comodistas.Parece-me que o voto em branco é uma alternativa mais acertada .


De commonsense a 30 de Abril de 2009 às 23:54
Já tenho votado em branco algumas vezes, mas até agora votei sempre. O que acho é que o sistema político-partidário está a ultrapassar o ponto de não regresso. Está a ficar igual ao futebol, ou pior mesmo. Os grandes interesses económicos tomaram conta dele. Não sei se será regenerável.



Comentar post

blogs SAPO
mais sobre mim
visitas
subscrever feeds
links
pesquisar
 
posts recentes

de volta para o Blogger

o bastonário

broken windows

inocência

o bastonário

o regular funcionamento d...

Sócrates tem mesmo de ser...

bloco central revisited

o bairro da bela vista

um só Deus para tanta gen...

isto é uma vergonha (8) a...

SAP - sociedades anónimas...

a Chrysler faliu

viragem de rumo na Islând...

o Diário de Notícias e o ...

europeias 4 - o debate na...

the fool on the hill

europeias 3

combustíveis, concorrênci...

Vincent van Gogh

cego, surdo e mudo

sem eira nem beira

europeias 2

nem às paredes confesso.....

isto é uma vergonha (7) a...

candura

a sida, o comportamento s...

o bastoneiro da desordem

isto é uma vergonha (6) o...

Jennifer Junniper (Donova...

a saga do provedor

pinho & lino

o relatório Larosière

é preciso não perceber na...

madoff

consciência da impunidade

Portugal novo

já não era sem tempo

ó patego olh'ó balão

a cimeira europeia

tu quoque

isto é uma vergonha (5) "...

lá e cá, a Máfia

anomia

supervizinha

isto é uma vergonha (4) V...

invasão dos bárbaros

accionistas masoquistas

yes we can!

isto é uma vergonha (3) F...

arquivos

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

tags

aborto baby-killers

american soft power

baby killers

baby killers 4

berlusconi

burocracia

casa pia

crianças

crianças; casa pia

crise

cultura

dinheiro

economia

esperança; política; desporto

ética

europa

freeport

fumar

guerra

islão

justiça

kosovo

natal

negócios

nuclear

ota

país

paz

pinho&lino

política

ps

psd

religião

renditions

saúde

sida

sixties

sociedade

socretinos

tabaco

universidade

todas as tags

subscrever feeds