O maior défice do País não é financeiro, nem é democrático, talvez seja neuronal, mas é concerteza de senso comum
Segunda-feira, 17 de Março de 2008
representação e credibilidade

 

Num sistema de democracia representativa, como o nosso, o fundamental do exercício da cidadania é feito através de partidos políticos.

Os partidos, neste sistema, devem compreender o sentir dos cidadãos e dar-lhes voz. Devem representá-los politicamente.

É por isso e para isso que são pagos pelos nossos impostos.

Os partidos não cumprem a sua obrigação legal e cívica quando, em vez de representarem os cidadãos, se representam a si mesmos, aos seus dirigentes, aos seus membros, ou até (coisa tabu) aos seus financiadores. Quando assim sucede, perdem a credibilidade, a respeitabilidade, os cidadãos deixam de confiar neles, e a abstenção aumenta.

É isto o que está a suceder cada vez com maior gravidade em Portugal. Por isso, a opinião geral sobre os partidos e os políticos é de que «são todos iguais».

Os partidos estão a ser progressivamente colonizados por oligarquias cujas interesses promovem e que os alimentam com negócios e interesses. Há  hoje, na política portuguesa, coisas que são tão claras que é preciso ser cego para não ver: em Oeiras, na Portucale, no Casino de Lisboa, no Parque Mayer, em Gondomar, em Felgueiras... e podia continuar...

É assim que sucede na Sicília, na Calábria, em Nápoles, na Albânia... e podia continuar...

A grande maioria dos portugueses anda descontente, mas quando chegarem as eleições não vai ter em quem votar. Vai ficar em casa, descontente e deprimida... e a maioria do voto vai  ser na abstenção ... provavelmente ...


sinto-me: preocupado
tags:

publicado por commonsense às 22:45
link do post | comentar | favorito
|

8 comentários:
De fanicos a 19 de Março de 2008 às 11:53
Nas próximas eleições não tenciono votar. Pela primeira vez na minha vida.
Não acredito em nenhum partido político. Todos eles mentem à descarada.
O Não ao referendo sobre o Tratado de S. Bento (prometido por todos), foi a gota de água !


De padeiradealjubarrota a 26 de Março de 2008 às 00:23
Acho melhor votar em branco.


De Assumida a 28 de Março de 2008 às 02:21
Pois eu vou votar, de certeza. Sim já sei que commonsense não apoia mas .... eu não alinho em protestos que só contam no dia das eleições. Vou mesmo votar no partido que eu, à partida, veja que consegue eleger um deputado, ou dois, vá lá. Desde que não seja o CDS/PP. Pois é ... terá que ser no chato do Louçã??? Os sacrificios que temos que fazer pela Pátria!!! Ninguém alinha em criar o partido do silencio. Pode ser que até lá apareça algum credível,


De fanicos a 28 de Março de 2008 às 18:50
"Os sacrificios que temos que fazer pela Pátria!!! "

Qual Pátria???


De commonsense a 28 de Março de 2008 às 19:27
Commonsense votou sempre, até já votou em branco, mas nunca deixa de votar. Não custa nada. O Voto branco também é voto e tem o seu sgnificado político. A abstenção também tem significado político, quando é uma abstenção activa, mas pode ser confundida com a abstenção passiva que tanto pode significar pregiça, como marginalidade, como doença ou impedimento.
Commonsense receia que o afastamento dos partidos em relação à população e o seu fechamento sobre si próprios conduza a uma grande abstenção. Mas não o deseja nem o pratica.


De commonsense a 28 de Março de 2008 às 19:54
Desculpem as gralhas.
Fanicos: isso é mau génio! Quanto ao tratado europeu, estamos ao contrário: eu preferia a Constituição, Fanicos a soberania à antiga. Mas não votar é dar mais força aos péssimos. Quando todos os que prestam tiverem deixado de votar, o péssimos desatam a rir à gargalhada ... e passam a fazer, então sim, tudo o que quiserem.
Cruzes canhoto!!!


De fanicos a 29 de Março de 2008 às 17:18
Commonsense preferia a "Copnstituição" - está no seu direito.
Eu preferia a soberania à antiga - estou no meu direito.
Porque será que tiveram medo de nos deixar escolher ?


De fanicos a 29 de Março de 2008 às 17:44
Desculpem também as gralhas (por pouco escrevia "Constipação")
Mas vamos aos "péssimos": péssimos já são todos os que lá estão; péssimos já são todos os partidos que temos; também já estão todos a rir (de nós) à gargalhada, e já fazem tudo aquilo que querem.
Eu só votaria se aparecesse algum movimento de independentes, que representasse todos os descontentes. E ainda era preciso que, à cabeça desse movimento, estivesse alguém que me desse as mínimas garantias. De Liberdade, por exemplo.
E não vou repetir a frase já estafada: "foi para isto que fizeram o 25 A?" :(


Comentar post

blogs SAPO
mais sobre mim
visitas
subscrever feeds
links
pesquisar
 
posts recentes

de volta para o Blogger

o bastonário

broken windows

inocência

o bastonário

o regular funcionamento d...

Sócrates tem mesmo de ser...

bloco central revisited

o bairro da bela vista

um só Deus para tanta gen...

isto é uma vergonha (8) a...

SAP - sociedades anónimas...

a Chrysler faliu

viragem de rumo na Islând...

o Diário de Notícias e o ...

europeias 4 - o debate na...

the fool on the hill

europeias 3

combustíveis, concorrênci...

Vincent van Gogh

cego, surdo e mudo

sem eira nem beira

europeias 2

nem às paredes confesso.....

isto é uma vergonha (7) a...

candura

a sida, o comportamento s...

o bastoneiro da desordem

isto é uma vergonha (6) o...

Jennifer Junniper (Donova...

a saga do provedor

pinho & lino

o relatório Larosière

é preciso não perceber na...

madoff

consciência da impunidade

Portugal novo

já não era sem tempo

ó patego olh'ó balão

a cimeira europeia

tu quoque

isto é uma vergonha (5) "...

lá e cá, a Máfia

anomia

supervizinha

isto é uma vergonha (4) V...

invasão dos bárbaros

accionistas masoquistas

yes we can!

isto é uma vergonha (3) F...

arquivos

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

tags

aborto baby-killers

american soft power

baby killers

baby killers 4

berlusconi

burocracia

casa pia

crianças

crianças; casa pia

crise

cultura

dinheiro

economia

esperança; política; desporto

ética

europa

freeport

fumar

guerra

islão

justiça

kosovo

natal

negócios

nuclear

ota

país

paz

pinho&lino

política

ps

psd

religião

renditions

saúde

sida

sixties

sociedade

socretinos

tabaco

universidade

todas as tags

subscrever feeds