O maior défice do País não é financeiro, nem é democrático, talvez seja neuronal, mas é concerteza de senso comum
Domingo, 16 de Dezembro de 2007
mais um referendo?
 
Não é indiferente referendar ou não o novo tratado da EU.
 
Se for submetido a referendo e for aprovado, é melhor: o tratado fica com maior força política e mesmo algo de constitucional. Note-se que a própria constituição portuguesa nunca foi referendada.
 
Mas se for recusado, não haja ilusões, ficamos fora da EU. Ninguém vai ter paciência para aturar o nosso chumbo, para aceitar um nosso veto. Simplesmente põem-nos na rua!
 
Se não for submetido a referendo, é aprovado no parlamento, com os votos contrários do costume. No problem.
 
Pessoal e politicamente preferiria o referendo, se não tivesse a certeza de que vai sofrer a tendência abstencionista de todos os outros: não vai ser válido por ter uma abstenção superior a 50%. Isso iria enfraquecer dramaticamente a nossa posição na EU, muito mais do que a ratificação parlamentar.
 
Se o parlamento teve legitimidade para aprovar a constituição portuguesa, também a há-de ter para aprovar a constituição europeia.
 
Por isso, embora relativamente contrariado, acho melhor não referendar. O óptimo é inimigo do bom.
 

tags:

publicado por commonsense às 18:34
link do post | comentar | favorito
|

8 comentários:
De Orlando a 17 de Dezembro de 2007 às 15:06
A minha opinião está link acima.


De commonsense a 17 de Dezembro de 2007 às 21:41
Meu Caro Orlando,

Sem acrimónia, agradeço o comentário e com o maior respeito discordo dele totalmente.

A minha posição é o oposto da sua. A minha Pátria é a Europa, embora tenha nascido aqui. Por isso, gosto do fim das divisões europeias. Divididos, os europeus não contam nada e serão presa fácil de todos os inimigos. Portugal, sozinho, não tem dimensão nem massa crítica. Tem sim uma história gloriosa e um cultura riquíssima, uma língua falada por 2000 milhões (que não tem sabido aproveitar) e enormes qualidades.

Na Europa há ainda outros portugueses que são também europeus. Fugiram das péssimas condições de vida e das perpectivas nulas que aqui tinham, lamentavelmente mal governados.

Não suporto a cleptocracia organizada que aqui domina e governa, que cobra impostos sobre os pobres (IVA a 21%) para subsidiar o ricos (empresários subsídio-dependentes e banqueiros milionários). Só não fazem pior porque a Europa não deixa.

Penso que nunca chegaremos a acordo nestas matérias, sem prejuízo de podermos continuar a conversar sobre o assunto.


De Orlando a 19 de Dezembro de 2007 às 01:02
Não estamos em todat desacordo:eu acredito na Europa das Nações, e o autor do blogue acredita no federalismo europeu. Nos dois casos, acredita-se na europa de maneira diferente. Para além disso, é um péssimo indício que se decidam estas questões sem se consultar o povo.


De commonsense a 20 de Dezembro de 2007 às 12:23
É verdade que não estamos em completo desacordo. Ainda bem.
Mas acho que não há apenas um modelo federal, nem apenas um modelo confederal. Há uma infinidade de gradações entre ambos e é para aí que a EU vai, sem que se possa prever ainda exactamente onde irá ficar.
Uma federação defende bem os interesses dos Estados, dependendo naturalmente do que ficar constituído.
Não sei bem o que é a Europa da Nações. Há países na Europa que são estados-nação: Portugal, Hungria, Dinamarca, sem ser exaustivo; mas a Espanha, a França e a Alemanha são uma nação? ou são várias?
Já tenho visto defender uma Europa das Nações em que a Catalunha, a Córsega e a Baviera são nações, uma Europa a mais de cem. A questão está a tornar-se dramática, hoje, com a Escócia, que quer o Euro e tem uma posição muito diferente da Inglaterra quanto à profundidade da integração política.
É um debate em movimento que a nós, que somos um estado-nação, não nos afecta muito.
Mais concretamente quanto ao Referendo, acho que descredibiliza o parlamento e entrega decisões importantes a um monte de imbecis. A democracia directa só pode ser usada em coisas muito simples e, sobretudo, com pouca importância, porque é muito vulnerável à demagogia.
E eu receio muito o que pode sair deste referendo: se for negativo, ficamos fora da UE e isso seria uma catástrofe.
Quanto à perdas de soberania. Para mim interessa mais a soberania das pessoas, também chamada cidadania, do que a dos governos. Uma das coisas de que gosto na intergração europeia é o acréscimo da minha soberania pessoal e o descréscimo da soberania de São Bento.


De padeiradealjubarrota a 21 de Dezembro de 2007 às 01:26
O mal é que o povo nem sabe de nada, etá a navegar neste assunto, sabe que está descontente e que a vida depois do euro tornou-se muito difícii


De commonsense a 21 de Dezembro de 2007 às 18:58
É possível.
Mas o povo só sabe do que lhe interessa, o que corresponde quase sempre a futebol e novelas. Basta ver qual é a imprensa que se vende e a televisão que se vê.
O povo vive muitíssimo melhor hoje do que antes da adesão à UE, mas já não se lembra.
Os governantes dizem que é feito por eles tudo o que é simpático e que é imposto pela UE tudo o que desagrada. Isto contribui para um crescente distanciamento do povo.
Ao contrário que que se diz por aí, a introdução do Euro fez baixar os preços, com excepção apenas dos pequenos consumos. As taxas de juros baixaram entre 8 e 10% e a inflação também baixou imenso.
A UE vai seguir o seu caminho, com ou sem Portugal.
Se os portugueses quiserem saír da EU, têm o seu direito: sempre tiveram e o Tratado de Lisboa di-lo expressamente.
Se o fizerem, é com eles.
Eu migrarei para dentro da UE.


De parametro ficheiro mestre a 9 de Janeiro de 2008 às 12:01
Commonsense , importa-se de repetir?

"Mas o povo só sabe do que lhe interessa, o que corresponde quase sempre a futebol e novelas? "

Concordo com a sua visão sobre o não referendar o Tratado de Lisboa, mais porque vejo a União Europeia já como um facto consumado e temo que voltar atrás seja sinónimo de caos.
Concordo (mais ou menos) com a sua visão que materialmente o povo viva (ou pense que vive) melhor.

Mas, esta melhoria teve um preço psicológico exorbitante . E o povo, não sei se sabe isso, mas sente.

Qual das situações terá o melhor rácio qualidade/preço?

Já agora lembra-se do chavão no pós 25 de Abril usado pelos socialistas e comunistas? - O Futebol é o ópio do Povo!! Descubra as diferenças. A sua frase lembra-me uma. O futebol e as novelas.



De fanicos a 6 de Janeiro de 2008 às 17:39
Só agora voltei ao commonsense porque voltei a esquecer a minha password. Agora pedi uma nova, e cá vai:

A propósito do referendo, o autor do blogue passa a vida a argumentar que a nossa Constituição também não foi referendada. Não foi, nem tinha que ser. A nossa Constituição foi elaborada por pessoas expressamente eleitas para tal. Era uma Assembleia Constituinte. E foi dissolvida imediatamente após o cumprimento da missão em que tinha sido investida. Por muito que essa assembleia – a de 75 – tenha feito uma enorme burrada, a Constituição que aí foi aprovada tinha legitimidade. Sempre que se teve que proceder a alterações à Constituição, a Assembleia teve de ser dotada de Poderes Constituintes.
Ora, a Constituição – mascarada de Tratado – da (des)União Europeia, foi feita por pessoas que se auto-nomearam para tal. Não representavam, nem representam, nada nem ninguém; não tinham pois poderes constituintes. Nem os Chefes de Estado que a aprovarão em Lisboa os tinham ou têm. O mesmo se pode dizer dos deputados que constituem a Assembleia da República.
Ainda por cima, os dois maiores partidos da Assembleia foram votados na base de uma promessa de referendo! E as pessoas que neles votaram confiarão na sua honestidade. Agora, “juntaram-se os dois à esquina” para darem o dito por não dito !!!
Tudo isto não teria muita importância – sobre a honestidade dos políticos, estamos conversados – não fosse esta “Coisa” a que chamam Tratado implicar alienação de Soberania, o que é expressamente proibido pela nossa Constituição.
Pelo facto de termos deixado passar uma série de inconstitucionalidades, desde pelo menos o Tratado de Maastricht, não que dizer que continuemos. Alguma vez os Portugueses terão de dizer: Basta !

Por mais que tentem iludir-nos, o único perigo do referendo é levar outros países, por arrasto, a fazer o mesmo. E, se os portugueses (o que não é provável) disserem Não ao dito cujo não serão certamente os únicos.

Que eu saiba, em Bruxelas, ainda funciona a regra da unanimidade.

Não tem pois qualquer fundamento a ameaça de sermos postos fora da “Europa”. Nós estamos na Europa há 9 séculos, e ninguém nos vai tirar daqui. O que acontece é que hoje somos um Pais igual aos outros e passaremos a ser um de 2ª ou 3ª.

E, se – como já se fala – a Turquia também for admitida? E a Rússia? Chegaríamos aos confins da China!

NÃO QUERO !


Comentar post

blogs SAPO
mais sobre mim
visitas
subscrever feeds
links
pesquisar
 
posts recentes

de volta para o Blogger

o bastonário

broken windows

inocência

o bastonário

o regular funcionamento d...

Sócrates tem mesmo de ser...

bloco central revisited

o bairro da bela vista

um só Deus para tanta gen...

isto é uma vergonha (8) a...

SAP - sociedades anónimas...

a Chrysler faliu

viragem de rumo na Islând...

o Diário de Notícias e o ...

europeias 4 - o debate na...

the fool on the hill

europeias 3

combustíveis, concorrênci...

Vincent van Gogh

cego, surdo e mudo

sem eira nem beira

europeias 2

nem às paredes confesso.....

isto é uma vergonha (7) a...

candura

a sida, o comportamento s...

o bastoneiro da desordem

isto é uma vergonha (6) o...

Jennifer Junniper (Donova...

a saga do provedor

pinho & lino

o relatório Larosière

é preciso não perceber na...

madoff

consciência da impunidade

Portugal novo

já não era sem tempo

ó patego olh'ó balão

a cimeira europeia

tu quoque

isto é uma vergonha (5) "...

lá e cá, a Máfia

anomia

supervizinha

isto é uma vergonha (4) V...

invasão dos bárbaros

accionistas masoquistas

yes we can!

isto é uma vergonha (3) F...

arquivos

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

tags

aborto baby-killers

american soft power

baby killers

baby killers 4

berlusconi

burocracia

casa pia

crianças

crianças; casa pia

crise

cultura

dinheiro

economia

esperança; política; desporto

ética

europa

freeport

fumar

guerra

islão

justiça

kosovo

natal

negócios

nuclear

ota

país

paz

pinho&lino

política

ps

psd

religião

renditions

saúde

sida

sixties

sociedade

socretinos

tabaco

universidade

todas as tags

subscrever feeds