O maior défice do País não é financeiro, nem é democrático, talvez seja neuronal, mas é concerteza de senso comum
Domingo, 3 de Junho de 2007
O sistema de ensino e a cultura inculta

Quando eu me formei, o ensino era bom, embora restrito a um sector limitado da população.

A minha geração teve a ilusão de que a generalização do ensino teria como consequência a generalização da qualidade.

Que ilusão!

Não obstante o alargamento do ensino a quase toda a população, o número de pessoas com qualidade cultural manteve-se aproximadamente o mesmo. E oficializou-se a 'cultura inculta'.

O actual sistema serve para o parqueamento dos filhos pelos pais que vivem nas periferias das cidades e trabalham ambos. O professores fazem de 'baby sitters'. O sistema educativo visa a formação de consumidores.

No meio de toda esta desgraça, os pais que puderem não terão outro remédio senão escolherem e pagarem caro um ensino de qualidade que obviamente não é ministrado pelo Estado.

A Senhora Ministra é (mais) uma responsável pela degradação do ensino.

O próprio Senhor Primeiro Ministro é uma prova da perda de qualidade do sistema de ensino em Portugal.


tags:

publicado por commonsense às 11:24
link do post | comentar | favorito
|

9 comentários:
De Andesman a 3 de Junho de 2007 às 14:10
O Ministério da Educação em Portugal, compara-se a um clube de futebol, dirigido por amadores, mal estruturado, e mal gerido. Que nunca acerta na ploítica a seguir, nem nas contratações, e por isso nunca ganha o campeonato; tornando-se um imenso cemitério de treinadores. Melhores dias


De fanicos a 3 de Junho de 2007 às 18:00
Pois no meu tempo o melhor ensino era mesmo o oficial (que, ainda por cima, era de borla). Para o particular iam sobretudo os maus alunos e aqueles que, por qualquer razão, necessitavam de uma atenção especial. De qualquer maneira, no fim de cada ciclo, havia exames - iguais para todos - realizados e avalidados em estabelecimentos de ensino público.
E ainda dizem que agora é que há "igualdade de oportunidades" ... !


De Radical, ou não a 4 de Junho de 2007 às 13:46
O problema não é tão linear como o está a colocar. O ensino é tão mau (ou menos mau, questão de sorte APENAS) ministrado pelo Estado ou pelo Privado.

Só que, para quem pode pagar, o privado controla mais os alunos. De resto, para ter um bom ensino tem que se recorrer sempre a explicações ,pagas a peso de ouro.

Seriam evitáveis com o ensino de qualidade que os estabelecimentos privados prometem e não dão.

Seriam evitáveis se o ensino público não se tivesse degradado da forma como se degradou. Mas esse mal já vem de longe. É culpa desta Ministra sim e de todos os outros que por lá têm passado.

Para quando uma reforma do ensino que comece pelo principio, ou seja, pelo 1º ciclo do ensino básico e que vise a aquisição de bases sólidas de conhecimentos básicos de forma a que os alunos possam evoluir nos anos seguintes? É que eu só vejo reformas no 2º ciclo do ensino básico e no secundário. Para quê, se estão a trabalhar com alunos que não têm bases nenhumas? Será possível haver reformas destas que tenham sucesso real?



De commonsense a 4 de Junho de 2007 às 20:19
Toda a razão. Mas o que me parece é que ninguém controla o Ministério da Educação. Foi desde que o Veiga Simão foi Ministro, no tempo do Marcelo Caetano, que se começou a demolir o sistema educativo. Agora, o que eu faria, se fosse Primeiro Ministro, seria cirar um novo Ministério - da Instrução, como no tem da república - e transferir o actual para a Expo, com todos os seus técnicos e sábios, onde ficaria instalado ao lado do Oceanário, e poderia ser visitado, mediante o pagamento de bilhete. Passaria a designar-se 'Museu da Incompetência'. O novo ministério teria professores contratados de novo, que teriam autoridade sobre os alunos, vencimento digno, que voltariiam a ensinar a tabuada de cor, a caligrafia em cadernos de duas linhas, a ortografia, a gramática, a história e a geografia, etc. Voltando ao sistema antigo, voltar-se-ia à qualidade antiga.


De padeiradealjubarrota a 4 de Junho de 2007 às 19:59
Não era o Guterres que proclamava a sua paixão pela Educação?


De Radical, ou não a 4 de Junho de 2007 às 22:00
Boa. Gostava de responder qualquer coisa mas não sei o quê ..... concordo com tudo. Só é pena que não seja 1º ministro! Não sei porquê mas acho que nem vai aparecer tão cedo um assim. Uma reforma de fundo leva muito tempo a dar frutos e o que eu vejo é que a vaidade dos governantes, políticos e empresários (enfim de quem possa ter força) leva a querer louros, elogios e medalhas no 10 de Junho e é transversal aos partidos. Já para não falar que, hoje em dia, alguém da geração pós Veiga Simão tem grandes probabilidades de vir a ser Ministro da Educação e, como não a teve como é que vai fazer alguma coisa de jeito. Estamos tramados


De Barão da Tróia a 5 de Junho de 2007 às 10:17
Pena é qe não exista ninguém com a sua lucidez no Ministério da Educação, concordo em absoluto, boa semana


De fanicos a 5 de Junho de 2007 às 16:59
Depois das borradas do Veiga Simão, ainda vieram os comunistas que tomaram conta do Ministério da Educação. Depois foi como a bola de neve. Os actuais professores (salvo raras excepções) também já são uns completos ignorantes.
Como é que se pode ensinar aquilo que não se sabe ?
A qualidade do ensino é também uma questão política: quanto mais ignorante for o povo, melhor se lhe enfia qualquer patranha.


De José Carrancudo a 20 de Junho de 2007 às 20:44
No nosso ver, a principal razão de problemas, é que, tentando massificar o ensino, adulteraram de passagem os seus fundamentos metódicos. O País está em crise educativa generalizada, resultado das políticas governamentais dos últimos 20 anos, que empreenderam experiências pedagógicas malparadas na nossa Escola. Com efeito, 80% dos nossos alunos abandonam a Escola ou recebem notas negativas nos Exames Nacionais de Português e Matemática. Disto, os culpados são os educadores oficiosos que promoveram políticas educativas desastrosas, e não os alunos e professores. Os problemas da Educação não se prendem com os conteúdos programáticos ou com o desempenho dos professores, mas sim com as bases metódicas cientificamente inválidas.

Ora, devemos olhar para o nosso Ensino na sua íntegra, e não apenas para assuntos pontuais, para podermos perceber o que se passa. Os problemas começam logo no ensino primário, e é por ai que devemos começar a reconstruir a nossa Escola. Recomendamos vivamente a nossa análise, que identifica as principais razões da crise educativa e indica o caminho de saída. (http://educacao-em-portugal.blogspot.com/) Em poucas palavras, é necessário fazer duas coisas: repor o método fonético no ensino de leitura e repor os exercícios de desenvolvimento da memória nos currículos de todas as disciplinas escolares. Resolvidos os problemas metódicos, muitos dos outros, com o tempo, desaparecerão. No seu estado corrente, o Ensino apenas reproduz a Ignorância, numa escala alargada.

Devemos todos exigir uma acção urgente e empenhada do Governo, para salvar o pouco que ainda pode ser salvo.

Sr.(a) Leitor(a), p.f. mande uma cópia ao M.E.



Comentar post

blogs SAPO
mais sobre mim
visitas
subscrever feeds
links
pesquisar
 
posts recentes

de volta para o Blogger

o bastonário

broken windows

inocência

o bastonário

o regular funcionamento d...

Sócrates tem mesmo de ser...

bloco central revisited

o bairro da bela vista

um só Deus para tanta gen...

isto é uma vergonha (8) a...

SAP - sociedades anónimas...

a Chrysler faliu

viragem de rumo na Islând...

o Diário de Notícias e o ...

europeias 4 - o debate na...

the fool on the hill

europeias 3

combustíveis, concorrênci...

Vincent van Gogh

cego, surdo e mudo

sem eira nem beira

europeias 2

nem às paredes confesso.....

isto é uma vergonha (7) a...

candura

a sida, o comportamento s...

o bastoneiro da desordem

isto é uma vergonha (6) o...

Jennifer Junniper (Donova...

a saga do provedor

pinho & lino

o relatório Larosière

é preciso não perceber na...

madoff

consciência da impunidade

Portugal novo

já não era sem tempo

ó patego olh'ó balão

a cimeira europeia

tu quoque

isto é uma vergonha (5) "...

lá e cá, a Máfia

anomia

supervizinha

isto é uma vergonha (4) V...

invasão dos bárbaros

accionistas masoquistas

yes we can!

isto é uma vergonha (3) F...

arquivos

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

tags

aborto baby-killers

american soft power

baby killers

baby killers 4

berlusconi

burocracia

casa pia

crianças

crianças; casa pia

crise

cultura

dinheiro

economia

esperança; política; desporto

ética

europa

freeport

fumar

guerra

islão

justiça

kosovo

natal

negócios

nuclear

ota

país

paz

pinho&lino

política

ps

psd

religião

renditions

saúde

sida

sixties

sociedade

socretinos

tabaco

universidade

todas as tags

subscrever feeds