O maior défice do País não é financeiro, nem é democrático, talvez seja neuronal, mas é concerteza de senso comum
Domingo, 4 de Fevereiro de 2007
Correia de Campos vs. Hipócrates

A última de correia de campos: quer alterar o Juramento da Hipócrates de modo a impedir os médicos de usarem da objecção de consciência perante o aborto. Assim, segundo a vontade de correia de campos, um médico que invoque a objecção de consciência para recusar o aborto já pode ser demitido.

Mas Hipócrates já muitas vezes foi contrariado e saíu sempre vencedor. Mais cedo ou mais tarde. Por vezes, tarde.

Na Alemanha, entre 1933 e 1945, também o governo de então se sentiu legitimado para fazer a mesma coisa: obrigar os médicos a fazer coisas monstruosas. E fê-las. Tinha - pensa-se - a população do seu lado, mas ninguém fez um referendo. Se tivesse havido um referendo na Alemanha, entre 1933 e 1945, possívelmente teria sido aprovada a interrupção de tantas vidas e de tantas coisas.

A Ordem dos Médicos disse NÃO a correia de campos. Mostrou que tem carácter, que tem espinha dorsal, que tem moral. 



publicado por commonsense às 11:52
link do post | comentar | favorito
|

6 comentários:
De padeiradealjubarrota a 4 de Fevereiro de 2007 às 15:25
De acordo. Tenho ouvido com algria, médicos directores clínicos, a dizerem na TV, frontalmente, que, nas suas clinicas, não haverá lugar ao aborto. Corajosos, perante uma conjectura pouco favorável.


De Sou incorrecto mas não sou cinico a 11 de Fevereiro de 2007 às 13:02
Admiro as suas posições e concordo 100% com elas. Acho que deve ser uma pessoa inteligente e talvez consiga esclarecer uma duvida, extremamente politicamente incorrecta, que tenho:
Como podem ser tão duramente críticos com os traficantes e donos de escravos, até ao século 18, os que agora defendem a liberalização do aborto?
Que eu saiba grande parte do sustento das economia baseava-se no trabalho de mão de obra intensiva. Quem quisesse tirar “prazer” e bem estar desse negócio não podia, como é lógico, ser ele a fazê-lo pois, duro como era, ou se tinha “prazer” ou se tinha uma vida dura com riscos de exaustão que poderiam ir até à morte.
Para quê incorrer numa situação destas se a lei permitia que se recorresse a “mercadoria” abundante e barata. As pessoas esquecem-se que os escravos negros dessa altura não eram considerados vida mas sim mercadoria?
O que eu vejo hoje em dia é, para mim, em tudo igual. Eu quero ter prazer e viver a vida sem restrições. A lei vai dizer que um feto com 10 semanas não é vida (e em certa ocasiões até já está a ser considerado mercadoria) logo é correcto eu tomar partido dessa situação.
Eu não vejo diferenças nas duas maneira de pensar mas não consigo deixar de me revoltar com o cinismo que é condenar a 1ª e não condenar a 2ª, com a estupidez que é não aprender com os erros que se cometeram no passado e com a “cara de pau” com que se afirmam publicamente tais contradições, ainda haja pessoas a aplaudir e pior ainda haja pessoas que consideram inteligentíssimas quer quem toma estas posições quer quem aplaude.
Para mim são todos iguais ou será que não?


De commonsense a 11 de Fevereiro de 2007 às 14:55
Os partidários do SIM consideram-se, cada um, acima de tudo e de todos, até dos própios filhos, ao ponto de os matarem antes de os verem. É uma aberração.


De Dona Redonda a 7 de Março de 2007 às 16:23
Não contentes com ter ganho o referendo, naquele "abortado" (porque não chega ao fim) mês de Fevereiro, os "sins" preparam-se para impedir os médicos objectores de consciência de participar na consulta prévia a que as mulheres que querem abortar se vão ter que submeter.

Parece que estes médicos - que ainda seguem o juramento que fizeram, de salvar vidas - vão obrigatóriamente ter que declarar, por escrito, que continuam a observar o juramento que fizeram !!!
E, deste modo, ficam impedidos de prestar aconselhamento a essas "pobres mulheres".

VIVA A LIBERDADE !
ABAIXO A OPRESÃO !


De commonsense a 7 de Março de 2007 às 19:59
Vejamos onde é que isto irá parar... Agora, que estão a ficar nervosos, vão começar a ficar autoritários e repressivos. É a força dos fracos... de quem não tem razão.


De portuguesinha a 27 de Março de 2007 às 11:38
Se o Herodes Correia de Campos tivesse sido abortado não andava para aí a querer obrigar os médicos a matar inocentes! Mas o que é que se há-de fazer com a escumalha de nazis que estão no (des)governo?


Comentar post

blogs SAPO
mais sobre mim
visitas
subscrever feeds
links
pesquisar
 
posts recentes

de volta para o Blogger

o bastonário

broken windows

inocência

o bastonário

o regular funcionamento d...

Sócrates tem mesmo de ser...

bloco central revisited

o bairro da bela vista

um só Deus para tanta gen...

isto é uma vergonha (8) a...

SAP - sociedades anónimas...

a Chrysler faliu

viragem de rumo na Islând...

o Diário de Notícias e o ...

europeias 4 - o debate na...

the fool on the hill

europeias 3

combustíveis, concorrênci...

Vincent van Gogh

cego, surdo e mudo

sem eira nem beira

europeias 2

nem às paredes confesso.....

isto é uma vergonha (7) a...

candura

a sida, o comportamento s...

o bastoneiro da desordem

isto é uma vergonha (6) o...

Jennifer Junniper (Donova...

a saga do provedor

pinho & lino

o relatório Larosière

é preciso não perceber na...

madoff

consciência da impunidade

Portugal novo

já não era sem tempo

ó patego olh'ó balão

a cimeira europeia

tu quoque

isto é uma vergonha (5) "...

lá e cá, a Máfia

anomia

supervizinha

isto é uma vergonha (4) V...

invasão dos bárbaros

accionistas masoquistas

yes we can!

isto é uma vergonha (3) F...

arquivos

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

tags

aborto baby-killers

american soft power

baby killers

baby killers 4

berlusconi

burocracia

casa pia

crianças

crianças; casa pia

crise

cultura

dinheiro

economia

esperança; política; desporto

ética

europa

freeport

fumar

guerra

islão

justiça

kosovo

natal

negócios

nuclear

ota

país

paz

pinho&lino

política

ps

psd

religião

renditions

saúde

sida

sixties

sociedade

socretinos

tabaco

universidade

todas as tags

subscrever feeds