O maior défice do País não é financeiro, nem é democrático, talvez seja neuronal, mas é concerteza de senso comum
Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008
what goes up must come down.

Esta crise financeira era de prever já há alguns anos.

A economia mundial, abandonou uma linha de lento mas seguro crescimento e aqueceu repentina e desmesuradamente. Agora vai arrefecer até ao ponto de onde partiu o disparate. Há quem diga que foi o fim da “mão invisível”. Não, não foi: é a mão invisível que está a corrigir o disparate, as alavancagens irracionais, os banqueiros loucos, os supervisores cegos, os consumidores infrenes e os comentadores que acreditaram que ao Verão se seguia o Verão e que a maré cheia não parava de encher.

Agora, a economia mundial, nacional, pessoal, vão voltar para trás, para o seu ponto de equilíbrio natural. Só que já não se sabe onde é esse ponto. Perdeu-se de vista na poeira da cavalgada louca. E a dúvida é onde é que vai parar a descida. O perigo é que os mesmos analistas que diziam que a economia não pararia de subir, digam agora que não parará de descer. Lembram-se daqueles que, há menos de um ano, juravam a pés juntos que o petróleo subiria até aos 200 dólares e que só havia dúvida quanto ao tempo em que isso sucederia? Pois, bem, está a trinta e tal.

Tudo isto não tem nada de extraordinário. É aquilo que acontece sempre. A mão invisível corrige sempre os desvios do mercado, mais cedo ou mais tarde.

What goes up must come down.


publicado por commonsense às 21:39
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sábado, 27 de Dezembro de 2008
os Mártires e a multa

A Igreja dos Mártires, no Chiado, foi onde se rezou a primeira missa depois da reconquista de Lisboa aos mouros. Foi reconstruída depois do terramoto e é uma obra prima de arte do século XVIII. Foi recentemente restaurada durante mais de um ano em que ficou fechada.

Quando ficou pronta foi inaugurada pelo Cardeal Patriarca e houve muita satisfação.

Porém, demorou mais uns dias a tirar o último tapume na rua ao lado do que a licença permitia e foi multada pelo Câmara. O Prior dos Mártires fez uma exposição ao Presidente da Câmara e, passados quase três anos, no dia 23 de Dezembro, o Dr. António Costa mandou-lhe um presente para o sapatinho: multa de 2.500 euros, mais custas, para pagar ou executar.

No dia de Natal, Commonsense foi à missa aos Mártires. Commonsense é natural da freguesia dos Mártires e foi baptisado na Igreja dos Mártires. Não ia lá há muito tempo. Maravilhou-se com a qualidade do restauro e com a beleza da Igreja. No fim, o Prior dos Mártires, antes do ita missa est, pediu mais uma esmola: para pagar esta multa. Commonsense entregou tudo o que tinha na carteira. Os outros entregaram o que entenderam.

Mas é preciso mais dinheiro. Commonsense faz um apelo a todos os bloguistas de boa vontade: dêm uma esmola à Igreja dos Mártires, para ajudar a pagar a multa.

Commonsense está revoltado. Numa terra onde nunca ninguém é condenado, seja banqueiro, autarca, clube de futebol, pedófilo ou assassino, foi a Igreja dos Mártires a ser fulminada com poder repressivo do autarca socialista.

Depois de S. Vicente e de S. Bartolomeu dos Mártires, é a própria Igreja a sofrer perseguição



publicado por commonsense às 21:24
link do post | comentar | ver comentários (24) | favorito
|

Sexta-feira, 26 de Dezembro de 2008
comonsense 2
O blog commonsense, do sapo, está bloqueado há vários dias. Depois de esgotar o recurso à assistência do sapo, commonsense viu-se forçado a migrar para aqui.

Espero que não tenha sido por causa dos contentores. Commonsense não se deixa contentorizar.




publicado por commonsense às 21:36
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Segunda-feira, 8 de Dezembro de 2008
Lisboa e Tejo e Tudo

Foi fundada uma associação cívica com um nome consagrado por Fernando Pessoa:

 

Lisboa e Tejo e Tudo

 

com o fim de «promover a ligação da Cidade de Lisboa e dos Lisboetas com o Rio Tejo, a sua beneficiação  e desenvolvimento futuro, requalificação e defesa contra agressões urbanísticas, industriais, empresariais ou outras».

 

Commonsense faz parte, está profundamente envolvido, e pede a todos o bloguistas de boa vontade que adiram a esta nobre causa e divulguem o mais que puderem, para que não seja destruída a zona ribeirinha, sacrificada no altar da ganância, da incivilidade, da incultura, enfim... daquilo que de pior existe em Portugal: o culto abjecto do Bezerro de Ouro.

 

 



publicado por commonsense às 11:36
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
|

Sexta-feira, 5 de Dezembro de 2008
não há banquetes grátis

 

Commonsense acaba de receber na sua caixa de correio (postal) uma «carta aberta à população de Lisboa», da autoria da Liscont, em que defende as suas teses sobre o terminal de contentores de Alcântara.


Commonsense não pode ter certezas em matéria que não conhece em detalhe, mas não deixa de ter convicções.


Commonsense sabe que não há almoços grátis e, mais ainda, que não há banquetes grátis.


Ora, Commonsense tem a convicção de que este negócio da Liscont é um banquete, tem a convicção de que este banquete não é grátis e que foi ou virá a ser pago por alguém a alguém.


Mas, para que não fique no campo incerto das convicções, Commonsense sente-se no direito de dirigir algumas perguntas à Liscont, já que esta se sentiu no direito de dirigir uma carta aberta a Commonsense:


1ª Commonsense quer saber qual o teor de todas as sucessivas versões do contrato de concessão do terminal de contentores de Alcântara e quer que a Liscont lhes dê publicidade.


2ª Commonsense quer saber qual o teor de todos os diplomas legais especificamente promulgados sobre esta concessão e quer que a Liscont lhe dê publicidade.


3ª Commonsense quer saber quem são todos os accionistas da Liscont, da Tertir, da Mota-Engil e quais as ligações que o socialista Jorge Coelho tem a ver com esta prorrogação da concessão e quer que a Liscont lhes dê publicidade.


4ª Commonsense quer saber quais foram os escritórios de advocacia que intervieram nesta alteração do regime da concessão, no estudo e preparação de minutas do Decreto-Lei e na modificação do contrato de concessão e quer que a Liscont lhes dê publicidade.


5º Commonsense quer saber quais são os contributos directos e indirectos do Grupo Mota-Engil para o Partido Socialista e quais as quantias pagas a membros deste Partido e a empresas que lhes estejam ligadas a título de honorários, consultoria, prestação de serviços ou outros e quer que a Liscont lhes dê publicidade.


Commonsense tem a convicção de que não vai obter resposta a qualquer destas perguntas e, na falta de respostas, vai ficar com a convicção de que este assunto foi efectivamente um banquete e que esse banquete não foi grátis.



publicado por commonsense às 21:16
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

blogs SAPO
mais sobre mim
visitas
subscrever feeds
links
pesquisar
 
posts recentes

de volta para o Blogger

o bastonário

broken windows

inocência

o bastonário

o regular funcionamento d...

Sócrates tem mesmo de ser...

bloco central revisited

o bairro da bela vista

um só Deus para tanta gen...

isto é uma vergonha (8) a...

SAP - sociedades anónimas...

a Chrysler faliu

viragem de rumo na Islând...

o Diário de Notícias e o ...

europeias 4 - o debate na...

the fool on the hill

europeias 3

combustíveis, concorrênci...

Vincent van Gogh

cego, surdo e mudo

sem eira nem beira

europeias 2

nem às paredes confesso.....

isto é uma vergonha (7) a...

candura

a sida, o comportamento s...

o bastoneiro da desordem

isto é uma vergonha (6) o...

Jennifer Junniper (Donova...

a saga do provedor

pinho & lino

o relatório Larosière

é preciso não perceber na...

madoff

consciência da impunidade

Portugal novo

já não era sem tempo

ó patego olh'ó balão

a cimeira europeia

tu quoque

isto é uma vergonha (5) "...

lá e cá, a Máfia

anomia

supervizinha

isto é uma vergonha (4) V...

invasão dos bárbaros

accionistas masoquistas

yes we can!

isto é uma vergonha (3) F...

arquivos

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

tags

aborto baby-killers

american soft power

baby killers

baby killers 4

berlusconi

burocracia

casa pia

crianças

crianças; casa pia

crise

cultura

dinheiro

economia

esperança; política; desporto

ética

europa

freeport

fumar

guerra

islão

justiça

kosovo

natal

negócios

nuclear

ota

país

paz

pinho&lino

política

ps

psd

religião

renditions

saúde

sida

sixties

sociedade

socretinos

tabaco

universidade

todas as tags

subscrever feeds