O maior défice do País não é financeiro, nem é democrático, talvez seja neuronal, mas é concerteza de senso comum
Terça-feira, 20 de Maio de 2008
Pedro Passos Coelho

 

Commonsense apoia Passos Coelho e vai votar nele.

 

Conhece-o bem desde há muitos anos. Seguiu a sua carreira política e profissional. Tem versatilidade, agilidade e ductilidade política. Veio muito novo de Angola. Cresceu à sua custa. Tirou um curso de economia (gestão) já a trabalhar. Tem um emprego e trabalha como qualquer pessoa. Não é rico e não representa qualquer grupo económico. Tem e preza a sua família e as suas filhas. É uma pessoa comum, que sabe o que a vida custa.  

 

Commonsense considera-o representativo do que existe de bom numa geração (já não tão) nova. Uma pessoa com presente e com futuro. Com um projecto político claro, com ideias arejadas e modernas. Que se está a rodear de gente muito boa. Que pode inverter o rumo péssimo que Portugal tem seguido.

 

É a verdadeira alternativa a Sócrates. Alternativa que é necessária e urgentíssima.



publicado por commonsense às 20:08
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

Sábado, 3 de Maio de 2008
especulação com alimentos

Muita gente se interroga sobre quem é que anda a especular com géneros alimentícios, conduzindo a esta crise alimentar.

 

A resposta é simples: são os mesmos especuladores que especulam nos mercados financeiros.

 

Antigamente, especulavam com divisas e títulos. Depois começaram a fugir do USDollar, pela evidência do seu colapso. Desataram então a compar Euros, mas pararam de o fazer porque acham que já está caro, acima do seu valor real.

 

Trata-se de um fenómeno conhecido por "fuga perante a moeda". Quando o mercado interioriza que as moedas estão altas demais, foge delas e compra bens tangíveis, antigamente quase sempre o ouro ou outros metais preciosos.

 

Mas a última invenção do Yupies especuladores foram as "commodities" e, dentro delas, os bens alimentares. Começaram com o café. Depois foram os cereais. São bens dos quais se não pode prescindir e cuja procura nunca baixa mais do que um certo limite. Abaixo desse limite é a fome.

 

A origem deste fenómeno está nos gigantescos défices americanos: o Governo americano não paga as suas dívidas, nem no interior nem no estrangeiro, e emite "papel". Para além de um certo volume, esta prática acarretou o colapso do Dollar.

 

Tudo isto agravado com as astronómicas transferências de riqueza da Europa e da América para a China e a Índia em consequência das deslocalizações induzidas pela globalização. As quantias fantásticas que estão a ser acumuladas na China, na Índia, no Dubai, etc. saíram de algum lado e não podem deixar de fazer falta nas economias donde vieram. 

 

A crise das "sub-prime" é um consequência directa da falência de milhares de famílias americanas da classe média, lançadas no desemprego pelas deslocalizações, que não conseguem pagar as hipotecas das suas casas, conduzindo também  à falência de quem lhes emprestou o dinheiro. Basta olhar para as perdas escondidas de tantos Bancos. Pouco se fala disto, mas é verdade. A América está em falência. Barroso teria dito: "de tanga".

  

Mas, no centro de tudo isto está também uma seita de especuladores sem escrúpulos que se enriquecem à custa da fome alheia.

 

É preciso repensar e pôr termo a estes processos, mas é preciso também compreender que os tão louvados benefícios da globalizção só serviram para enriquecer ainda mais os que já eram muito ricos e está a empobrecer escandalosamente os que já eram muito pobres. 

 

A "mão invisível" do hiper-liberalismo tem coisas destas... mas a globalização também tem culpas no cartório.

 

 



publicado por commonsense às 23:21
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|

blogs SAPO
mais sobre mim
visitas
subscrever feeds
links
pesquisar
 
posts recentes

de volta para o Blogger

o bastonário

broken windows

inocência

o bastonário

o regular funcionamento d...

Sócrates tem mesmo de ser...

bloco central revisited

o bairro da bela vista

um só Deus para tanta gen...

isto é uma vergonha (8) a...

SAP - sociedades anónimas...

a Chrysler faliu

viragem de rumo na Islând...

o Diário de Notícias e o ...

europeias 4 - o debate na...

the fool on the hill

europeias 3

combustíveis, concorrênci...

Vincent van Gogh

cego, surdo e mudo

sem eira nem beira

europeias 2

nem às paredes confesso.....

isto é uma vergonha (7) a...

candura

a sida, o comportamento s...

o bastoneiro da desordem

isto é uma vergonha (6) o...

Jennifer Junniper (Donova...

a saga do provedor

pinho & lino

o relatório Larosière

é preciso não perceber na...

madoff

consciência da impunidade

Portugal novo

já não era sem tempo

ó patego olh'ó balão

a cimeira europeia

tu quoque

isto é uma vergonha (5) "...

lá e cá, a Máfia

anomia

supervizinha

isto é uma vergonha (4) V...

invasão dos bárbaros

accionistas masoquistas

yes we can!

isto é uma vergonha (3) F...

arquivos

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

tags

aborto baby-killers

american soft power

baby killers

baby killers 4

berlusconi

burocracia

casa pia

crianças

crianças; casa pia

crise

cultura

dinheiro

economia

esperança; política; desporto

ética

europa

freeport

fumar

guerra

islão

justiça

kosovo

natal

negócios

nuclear

ota

país

paz

pinho&lino

política

ps

psd

religião

renditions

saúde

sida

sixties

sociedade

socretinos

tabaco

universidade

todas as tags

subscrever feeds