O maior défice do País não é financeiro, nem é democrático, talvez seja neuronal, mas é concerteza de senso comum
Sexta-feira, 26 de Outubro de 2007
crise dos mísseis

Em Mafra, Putin referiu-se à instalação de mísseis na Europa de Leste como uma nova "crise dos mísseis" comparável à que ocorreu em Cuba nos anos sessenta, que deixou o mundo à beira da guerra.

 

Seria bom que os Checos e os Polacos compreendessem bem o que se passa e deixassem de obedecer em tudo ao "amigo americano" não permitindo a sua instalação.

 

A intervenção do "nosso" Barroso podia ter sido mais diplomática. Mas ele também é muito amigo do "amigo americano".

 

As coisas estão a ficar feias por aqui.


sinto-me: preocupado
tags:

publicado por commonsense às 23:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 23 de Outubro de 2007
ainda bem
O acordo sobre o tratado reformador e o resultado das eleições na Polónia são boas notícias para a Europa.
Entretanto a entrada da Turquia em conflito armado no Kurdistão resolve o problema da sua adesão: fica para uma próximo, ou mais provavelmente, muito longínqua.
A Inglaterra está isolada na sua estratégia pró-americana, isto é, anti-europeia.
Com tudo isto, começa a não me preocupar muito que se passa aqui. Quanto maior a concentração de poder na Europa, menor o estrago causado pelos políticos de cá.
Ainda bem.  

tags:

publicado por commonsense às 21:21
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 5 de Outubro de 2007
química orgânica
Descobriu-se agora que Marion Jones (considerada a atleta do ano) ganhou as suas medalhas olímpicas à custa de um ‘esteróide indetectável’. Provavelmente vai ser desclassificada a perder as medalhas para uma segunda classificada, em relação a quem não foi detectada (ainda) outro esteróide indetectável.
 
Os jogos olímpicos e o atletismo de alta competição continuam a ser aquilo em que se transformaram: concursos internacionais de química orgânica. Ganha quem descobrir e usar o esteróide mais indetectável.  
 
Sem contribuir para a qualidade do desporto, sempre fazem avançar a ciência,  alimentam o espectáculo e enriquecem negócio.
 
Os pobres dos atletas-cobaias acabam por morrer cedo, cheios de mazelas, causadas pelos maus tratos químicos que sofreram.
 
Mas vai continuar assim: the show must go on.

tags:

publicado por commonsense às 09:13
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Quarta-feira, 3 de Outubro de 2007
já chega do caso McCann

A Polícia Portuguesa tem dedicado à investigação do chamado caso McCann um enorme esforço de investigação que obviamente não dedica a casos de desaparecimento de crianças portuguesas.

Tem feito isto sob a pressão intensa da imprensa inglesa, principalmente dos tablóides que elegeram este caso como pretexto para desacreditar e humilhar a Polícia Portuguesa, transformando-a em culpada por não encontrar a criança.

No jogo do «passa culpas» os pais McCann fogem a ser culpados pela negligência com que deixaram sozinhos os seus três filhos e passa a Polícia Portuguesa a ser culpada por incompetente (não agiu como devia), preguiçosa (só trabalha quatro horas por dia), etc.

Quando surgiram indícios de que a criança poderia ter sido acidentalmente morta pelos (ou por um dos) pais, e o seu corpo ocultado, intensificou-se o ataque da imprensa inglesa, provavelmente orquestrada pelos agentes de comunicação contratados pelos pais McCann com o muito dinheiro que lhes foi disponibilizado. Entrou-se na agressão verbal e mesmo no insulto pessoal.

Um inspector fartou-se e desabafou numa entrevista que não deveria ter dado. Foi imediatamente demitido. A Polícia Portuguesa ficou fragilizada.

Como cidadão português, sinto-me mal. Sinto que poderá ter havido pressão do Governo Inglês, ou talvez não. Mas o Governo Português, ao apressar-se a demitir o inspector da polícia portuguesa, fez-me lembrar os tempos do império britânico. Só falta uma canhoneira no Tejo.

O enorme esforço português tem sido recebido pelos ingleses com desprezo e desconsideração, com ridicularização e mesmo injúria.

Tudo isto me leva a pensar que não tem sentido, nem é justo, que a Polícia Portuguesa continue a dedicar a este caso os meios e a energia que nunca dedicou ao desaparecimento de qualquer criança portuguesa.

É urgente acabar com isto. Arquivar este processo e dedicar os meios que lhe têm estado afectados à investigação do desaparecimento de crianças portuguesas que continuam por encontrar. Tenho a certeza que os seus pais responderão com reconhecimento e não com desprezo.

É urgente acabar com isto.


sinto-me: Farto de aturar isto
tags:

publicado por commonsense às 21:28
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Terça-feira, 2 de Outubro de 2007
a polícia inglesa

Começou em Londres o julgamento da polícia inglesa pela morte do brasileiro Jean Charles de Menezes.

Note-se que não vai ser julgado nenhum dos agentes daquela polícia, mas a própria polícia como instituição. Note-se também que não vai ser julgada por homicídio, mas por falha técnica numa operação.

Para quem já não se lembrar, vários polícias ingleses, sem aviso prévio nem provocação, mataram Jean Charles de Menezes, numa estação do Metro de Londres, com 7 - leia-se: sete - tiros na cabeça à queima roupa.

Agora dizem que foi por engano. Era uma pessoa pacífica que nada tinha a ver com terrorismo. Estava ali em paz. E foi chacinado assim.

É particularmente chocante a quantidade dos tiros - sete. Não bastava um tiro na cabeça para o matar? Parece haver uma preocupação em não o deixar mesmo sobreviver. O que é que Menezes saberia ou teria visto para ser abatido deste modo? Nunca se saberá!

Mas é esta a polícia inglesa que critica a portuguesa no caso da criança desaparecida no Algarve. A polícia portuguesa pode não ter encontrado a criança, mas não a matou, muito menos a tiro e ainda menos com sete tiros na cabeça.

Por mais que nos queixemos, por vezes com razão, jamais a polícia portuguesa teria feito o que fez a polícia inglesa.

E se o tivesse feito, seriam os autores dos tiros a ser julgados, por homicídio e não por falha técnica.

Os ingleses continuam - como no tempo do império - a considerar-se seres superiores aos outros. No fundo desprezam-nos, não nos consideram iguais, nem a nós nem aos brasileiros.

Não podemos ser ingénuos com eles.

Sempre que nos criticarem devemos recordar-lhes este caso Menezes.



publicado por commonsense às 19:28
link do post | comentar | favorito
|

blogs SAPO
mais sobre mim
visitas
subscrever feeds
links
pesquisar
 
posts recentes

de volta para o Blogger

o bastonário

broken windows

inocência

o bastonário

o regular funcionamento d...

Sócrates tem mesmo de ser...

bloco central revisited

o bairro da bela vista

um só Deus para tanta gen...

isto é uma vergonha (8) a...

SAP - sociedades anónimas...

a Chrysler faliu

viragem de rumo na Islând...

o Diário de Notícias e o ...

europeias 4 - o debate na...

the fool on the hill

europeias 3

combustíveis, concorrênci...

Vincent van Gogh

cego, surdo e mudo

sem eira nem beira

europeias 2

nem às paredes confesso.....

isto é uma vergonha (7) a...

candura

a sida, o comportamento s...

o bastoneiro da desordem

isto é uma vergonha (6) o...

Jennifer Junniper (Donova...

a saga do provedor

pinho & lino

o relatório Larosière

é preciso não perceber na...

madoff

consciência da impunidade

Portugal novo

já não era sem tempo

ó patego olh'ó balão

a cimeira europeia

tu quoque

isto é uma vergonha (5) "...

lá e cá, a Máfia

anomia

supervizinha

isto é uma vergonha (4) V...

invasão dos bárbaros

accionistas masoquistas

yes we can!

isto é uma vergonha (3) F...

arquivos

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

tags

aborto baby-killers

american soft power

baby killers

baby killers 4

berlusconi

burocracia

casa pia

crianças

crianças; casa pia

crise

cultura

dinheiro

economia

esperança; política; desporto

ética

europa

freeport

fumar

guerra

islão

justiça

kosovo

natal

negócios

nuclear

ota

país

paz

pinho&lino

política

ps

psd

religião

renditions

saúde

sida

sixties

sociedade

socretinos

tabaco

universidade

todas as tags

subscrever feeds